Campus Boa Vista recebe alunos para o ProIFtec

por Virginia publicado 13/04/2018 17h52, última modificação 13/04/2018 17h52
Nesta primeira fase do projeto serão atendidos 70 alunos da Escola Estadual Don José Nepote.

Na tarde desta sexta-feira, dia 13, o Campus Boa Vista (CBV), por meio do Departamento de Educação a Distância (Dead), recebeu 70 alunos da Escola Estadual Don José Nepote para o início das aulas do Projeto ProIFtec, que é um curso de extensão preparatório para o ingresso nos cursos técnicos integrados ao ensino médio do CBV.

Os alunos, todos do 9.° ano do ensino fundamental, terão acesso aos módulos de aula Iniciação ao Ambiente Virtual de Aprendizagem (30h); Língua Portuguesa (60h); Ética e Cidadania (30h); Matemática (60h), que somam 180 horas. Cada um desses componentes contará com 70% da carga horária a distância e com 30% de forma presencial.

Neste primeiro encontro, os cursistas receberam um kit didático e participaram de palestra sobre o funcionamento do AVA e também sobre a estrutura e a organização da unidade de ensino.

Para a servidora pública Betth Cavalcante, mãe da aluna Brenda Ranyle Cavalcante, o projeto é de extrema importância, pois irá beneficiar jovens que, muitas vezes, não têm acesso à internet. “Achei a proposta superinteressante, uma vez que a maioria dos jovens não têm acesso à internet, ou então acessam para outra finalidade que não seja o estudo. Aqui eles poderão ter esse acesso facilitado, e também de forma orientada, com o propósito de estudar. Com relação a minha filha, digo que ela merece essa oportunidade, pois, assim como os colegas do seu grupo, gosta de estudar, nunca ficou reprovada e sempre estudou em escola pública. Então, acredito que ela conseguirá ser aprovada”, disse a mãe da menina, radiante pelo fato de a filha ter sido sorteada para o curso. Ela disse ainda que acredita que o projeto dará certo, dada a seriedade dos profissionais envolvidos, e que espera que os alunos não desistam, para que não desperdicem a oportunidade, tirando a vaga de outros que gostariam de participar.

Já a aluna Brenda Ranyle afirma que estudar no IFRR sempre foi seu sonho. “Fiquei muito feliz com essa oportunidade, pois sempre tive vontade de estudar aqui. Então, acredito que estarei mais preparada para concorrer ao seletivo”, disse a estudante.

A servidora Isabel Somberger será a primeira professora dos alunos no curso e irá ensiná-los a utilizar o AVA explorando todas as suas possibilidades. Ela contou um pouco sobre sua trajetória institucional com o objetivo de incentivar os alunos a se dedicar aos estudos. “Já estive aí no lugar de vocês. Um dia eu também sonhei em estudar aqui e consegui. Fiz o ensino médio e o superior aqui no IFRR. Hoje estou aqui como servidora e digo a vocês que minha vida de estudante ainda não acabou, pois nunca devemos parar de aprender. Desejo que vocês tenham consciência do privilégio que estão tendo em fazer este curso preparatório, pois saibam que há uma equipe empenhada para recebê-los e preparar tudo da melhor maneira para que tenham sucesso. Mas ressalto que esse sucesso vai depender muito mais de vocês, do compromisso que terão com os estudos, do esforço de cada um”, ressaltou Isabel.

O diretor-geral do CBV em exercício, professor Ananias Noronha Filho, também participou da solenidade e disse que esse projeto não é apenas um desafio, é um sonho realizado, e que a instituição pretende ampliá-lo. “A ideia é que esse projeto seja transformado em um programa institucional e que possa beneficiar ainda mais jovens, pois nossa missão é não só oferecer o ensino, mas sobretudo que esse ensino seja de qualidade, e com vocês não será diferente”, explicou.

Para o professor da Escola Estadual Dom José Nepote Juarez Cardoso, é uma satisfação enorme a escola ter sido selecionada para a implantação do projeto. “Ficamos lisonjeados e agradecidos pelo fato de a escola ser beneficiada com esse projeto, pois estamos dando mais uma oportunidade aos nossos alunos de ampliarem seus conhecimentos, principalmente porque muitos moram distante da escola e as famílias não teriam condições de arcar com mais uma despesa para pagar um cursinho e tampouco o vale transporte extra. Como este campus do IFRR é próximo da escola, a frequência no projeto será facilitada. No mais, digo que todos os que foram sorteados e que estão aqui têm enorme vontade de estudar. Outro fator interessante é que alguns sorteados abriram mão da vaga para outros que mais necessitavam, o que comprova que há a sensibilização e conscientização de nossos alunos para não desperdiçar a vaga e contemplar aqueles que de fato precisam”, relatou o professor, acrescentando que acredita no potencial dos alunos e que muitos serão aprovados, dando assim um bom exemplo para outros estudantes de que vale a pena se dedicar aos estudos.

 

Virginia Albuquerque
Jornalista
CCS/Campus Boa Vista
13/4/2018