DIA DA MULHER – Programa Mulheres Mil é referência na capacitação de mulheres em situação de vulnerabilidade social

por Virginia publicado 09/03/2018 13h50, última modificação 09/03/2018 13h55
Campus Boa Vista capacitou 410 mulheres entre os anos de 2014 e 2016, por meio do Programa Mulheres Mil.

Como uma das ações mais importantes do Instituto Federal de Roraima (IFRR) relacionada à política afirmativa de extensão que valoriza as mulheres, especialmente aquelas que vivem em situação de vulnerabilidade social, o Programa Mulheres Mil do Campus Boa Vista (CBV) tem sido referência no estado ao capacitar, entre os anos de 2014 e 2016, 410 mulheres, tanto na Capital quanto no interior.

Os cursos são sempre planejados com o intuito de aperfeiçoar o conhecimento básico que muitas mulheres já têm na área de culinária, fornecendo-lhes maior capacidade técnica para ampliar os próprios negócios. As cursistas do Programa Mulheres Mil são qualificadas com foco no empreendedorismo para que, de forma inovadora, possam colaborar com a ampliação da renda familiar e consequentemente melhorar a qualidade de vida.

Elaine.jpg
Elaine trabalha em um salão da cidade desde que concluiu o curso em 2014.

A história de Elaine de Abreu Oliveira assemelha-se à de outras mulheres que conseguiram o tão sonhado emprego com carteira assinada após a participação no Programa Mulheres Mil. Ela concluiu o curso de Manicure e Pedicure, em 2014, e, desde lá, não parou mais de trabalhar. “O curso surgiu no momento em que eu mais precisava, quando estava procurando me capacitar e obter o meu certificado. Apesar de já saber fazer unha, eu precisa aprender mais, como os conceitos sobre biossegurança, que eu não dominava. Eu precisava também da certificação para conseguir um emprego em um salão da cidade. Então, depois do curso, as portas se abriram pra mim. Digo sempre às minhas amigas que ser manicure é uma grande oportunidade, e não vejo a profissão com menosprezo, pois, por meio dela, posso cuidar de alguém”, explicou a egressa do programa.

A manicure diz ainda que os conhecimentos adquiridos no curso possibilitam inclusive a autonomia financeira. “Se você tiver dedicação e utilizar os conceitos de administração, psicologia, cooperativismo e empreendedorismo aprendidos no curso, terá condições de montar o próprio negócio e ir muito além. Por isso, eu indico o programa para as mulheres que necessitam aprender alguma profissão. Além do que, o curso ajuda a elevar a autoestima da mulher”, complementou.

Para a coordenadora do Programa Mulheres Mil no CBV, Janira Souza de Lima, o dia 8 de março, Dia Internacional da Mulher, é uma data marcante para o programa, pois destaca o papel da mulher que batalha para alcançar um espaço na sociedade. “Aproveito esta data tão importante para parabenizar todas as egressas do programa Mulheres Mil, destacando o quanto é importante para o IFRR, em especial para o Campus Boa Vista, capacitar mulheres que se encontram em situação de vulnerabilidade social. Sinto-me orgulhosa por fazer parte desta gestão tão comprometida, humanizadora, que valoriza o protagonismo da mulher servidora, da mulher da comunidade, da mulher de baixa renda, e daquelas que não têm uma perspectiva de vida, mas que, ao final do curso, conseguem montar o próprio negócio ou ingressar no mercado de trabalho”, destacou a Janira.

Programa Mulheres Mil – Criado em 2007, o programa é desenvolvido no âmbito dos institutos federais de todo o País e tem como finalidade promover a inclusão social por meio da oferta de formação focada na autonomia e na criação de alternativas para a inserção no mundo do trabalho, para que as mulheres alvo do programa consigam melhorar a qualidade de suas vidas e de suas comunidades. O programa é uma política institucional da Rede Federal de Educação Profissional e Tecnológica (Rede EPT) e promove mudanças sociais significativas nas localidades onde os cursos são ofertados.

Em Roraima, os cursos são realizados, na maioria das vezes, em parceria com os Centros de Referências de Assistência Social (Cras), responsáveis pela seleção das mulheres, e também com outras instituições parceiras do CBV.

Novos cursos – A previsão é que, no segundo semestre de 2018, seja ofertado o curso de Formação Inicial e Continuada (FIC) de Salgadeiro, direcionado às mulheres imigrantes, com a oferta de 30 vagas.

 

Virginia Albuquerque
Jornalista
CCS/Campus Boa Vista
9/3/2018