Formandos falam da satisfação em concluir o curso

por Virginia publicado 27/12/2018 11h35, última modificação 27/12/2018 11h35
Os discursos dos oradores falaram das experiências e dos aprendizados, marcas importantes que irão levar para toda a vida.

Discursos marcados pela emoção e pelo saudosismo. Assim foram as falas dos oradores das turmas de vários cursos certificados neste mês de dezembro pelo Campus Boa Vista do Instituto Federal de Roraima (CBV-IFRR). As solenidades ocorreram em vários lugares: no próprio campus, no auditório do Centro Amazônico de Fronteiras (CAF-UFRR) e em algumas escolas de comunidades indígenas.

Cerca de 700 alunos concluíram cursos de extensão, cursos técnicos integrados ao ensino médio, subsequentes, presenciais, semipresenciais e a distância tanto na Capital como em comunidades indígenas da zona rural da cidade.

Durante as solenidades de formatura, eles relataram as dificuldades enfrentadas, os obstáculos que tiveram de suplantar, as amizades construídas, os grandes ensinamentos aprendidos, os conhecimentos adquiridos e também falaram das expectativas que têm a partir da formação no IFRR. Todas essas experiências são marcas importantes que irão levar para toda a vida.

O formando do curso de Licenciatura em Educação Física Flávio Moacir Damasceno da Silva Nascimento fez questão de agradecer à instituição os ensinamentos. Ele ressaltou ainda a qualidade do ensino recebido. “Agradeço ao IFRR! Saibam que, quando escolhemos esta instituição, decidimos, com o coração, pois, muito mais do que avaliar conceitos estatísticos, dados do MEC e demais contextos que nos foram apresentados, escolhemos por nos identificar com o ensino ofertado, com a proposta do curso, com os professores. A vocês, colegas, digo que têm uma grande responsabilidade, pois representam esta instituição e irão levar consigo a marca do Instituto Federal de Roraima para toda a vida, não só no papel, mas, sobretudo, na conduta profissional. Portanto, temos, a partir de agora, o dever de ser os melhores, para honrar esta conceituada instituição”, disse.

Assim como Flávio, a formanda Gleici Kelly dos Santos Alvarenga, do curso de Formação Inicial e Continuada (FIC) Auxiliar de Arquivo, diz que, além de ensinamentos técnicos, obteve conhecimentos que servirão para a vida. “Foi realmente uma experiência agradável compartilhar momentos divertidos, mas que nos exigiam muita atenção e cuidado na realização das práticas que nos eram propostas. Desenvolvemos um grau de competência ímpar, aprendemos e aperfeiçoamos conhecimentos e técnicas, que serão empregados em nossos locais de trabalho e em diversas situações de nossas vidas”, pontuou.

Uma turma jovem também encerrou sua trajetória no CBV: os alunos dos cursos técnicos integrados ao ensino médio. Apesar da pouca idade, já sabem, desde muito cedo, que caminho desejam seguir. São decididos e também sabem agradecer os ensinamentos recebidos. O aluno do curso Técnico em Eletrotécnica Ryan Cândido Barros de Oliveira resumiu com propriedade esse sentimento de gratidão. “Ao longo destes três anos no IFRR, vivemos muitas experiências que nos moldaram, de forma positiva, para sermos o que somos hoje. Bateu-me um sentimento de saudade e tenho certeza de que meus colegas também partilham desse mesmo sentimento, uma vez que essas experiências nos marcaram e nos ajudaram em nosso crescimento acadêmico. Apesar de hoje também ser um dia de despedida, nós nos despedimos hoje de valores imaturos, com os quais ingressamos na instituição, e saímos com novos valores éticos e morais, que nos habilitam para representar o IFRR de forma justa e responsável. Que possamos fazer uso de nossa profissão para beneficiar a sociedade em geral!”, disse. Ele concluiu despedindo-se de forma emocionada. “Esperamos ansiosos concluir o ensino médio, mas agora percebemos a falta que esta escola nos fará. Mas é assim, na vida passamos por muitas fases e hoje concluímos mais uma. A gratidão que sentimos não pode ser traduzida por palavras. Nós somos gratos a todos, professores e colegas, pois sem vocês esta conquista não seria possível. E, como me faltam palavras, prefiro dizer apenas muito obrigado por tudo!”, finalizou. 

Virginia Albuquerque
CCS/Campus Boa Vista
27/12/18