Projeto Karatê-Do é selecionado no edital da Vara de Penas e Medidas Alternativas (Vepema) do Tribunal de Justiça de Roraima

por Virginia publicado 25/09/2019 13h40, última modificação 26/09/2019 09h38
O projeto Karatê-Do, coordenado pela professora Marilda, foi um dos selecionados no edital e receberá R$ 11.979,80 para investir em material

Na manhã desta terça-feira, 24, no auditório da Vara de Penas e Medidas Alternativas do Tribunal de Justiça de Roraima (Vepema/TJRR), a diretora de Extensão Programas Especiais e Ações Inclusivas, professora Marilda Vinhote Bentes, e o diretor-geral em exercício do Campus Boa Vista, professor Ananias Noronha Filho, participaram da solenidade de entrega dos alvarás dos projetos selecionados por meio do edital Vepema.

O projeto Karatê-Do, coordenado pela professora Marilda, foi um dos selecionados  e receberá o valor de R$ 11.979,80  para investir na compra de material.

Desenvolvido desde 2018, o projeto de karatê visa proporcionar aos alunos o crescimento e o desenvolvimento harmônico das suas potencialidades psicomotoras, cognitivas e afetivas, além da integração social pelos fundamentos básicos da modalidade.

O projeto visa atender, preferencialmente, pessoas da comunidade na faixa etária de 5 a 50 anos de idade, sendo que crianças, adolescentes e jovens devem estar regularmente matriculados em escolas da rede pública de ensino e/ou se encontrarem em situação de vulnerabilidade social ou de saúde. “O Karatê-Do representa uma realização não só profissional, mas também pessoal, pois é visível a aceitabilidade por parte da sociedade diante da grande procura e, consequentemente, da adesão dos karatecas. Há não somente a inclusão dos filhos no projeto, mas também dos próprios pais, já que alguns se tornam colegas de turma da criança, matriculando-se no projeto. O projeto nos dá uma satisfação enorme, pois, ao observar o desempenho dos atletas, percebemos uma mudança significativa. A prática do karatê impulsionou a capacidade física e o domínio do corpo, e, com o aprimoramento da técnica, conquistamos medalhas em campeonatos, fato que nos faz perceber como o voluntariado exercido de forma singela contribui para a vida do outro. Nossa gratidão às pessoas que abraçaram o projeto, como é o caso da vigilante terceirizada a Senpai Thannara Útana e do Sensei Everaldo de Souza Bezerra, responsável técnico do projeto”, disse Marilda.

A coordenadora do projeto destaca ainda o aspecto social do desenvolvimento do projeto, que possibilita a formação integral dos participantes. “Quando planejamos o projeto, queríamos dar oportunidade aos jovens para ocuparem seu tempo livre, mas, à medida  que o projeto foi sendo desenvolvido, ampliamos o foco, pois a relação entre a filosofia do karatê e a prática da arte marcial cumpriu efetivamente seu papel. Os alunos passaram a se preocupar com a saúde, demonstrando interesse, superando obstáculos, tornando-se mais disciplinados e sociáveis, em um processo de cooperação, de afetividade e respeito mútuo. Então, não tem como não se sentir realizada e agradecida”, completou Marilda.  

 

Virginia Albuquerque
CCS/Campus Boa Vista
25/9/19