COLÔNIA DE FÉRIAS – Gestores estudam a possibilidade de tornar o projeto uma ação permanente

por Virginia publicado 17/07/2019 17h00, última modificação 17/07/2019 17h00
A Colônia de Férias ocorreu de 8 a 12 de julho, no CBV, e atendeu cerca de 70 crianças.

Diante da enorme aceitação do projeto Colônia de Férias do Campus Boa Vista do Instituto Federal de Roraima (CBV-IFRR), os organizadores e os gestores do campus analisam os resultados e avaliam a possibilidade de tornar o evento uma ação permanente, parte do calendário acadêmico.

Tendo como público-alvo crianças de 10 a 12 anos, o projeto teve como principal objetivo oferecer lazer e oportunidade de prática esportiva, recreacional e cultural, como forma de ocupação sadia do tempo livre, visando ao desenvolvimento saudável do corpo, além de proporcionar aos acadêmicos do curso de Educação Física experiências acadêmicas para fortalecer a formação acadêmica. Cerca de 70 crianças foram atendidas.

A Colônia de Férias ocorreu de 8 a 12 de julho, no CBV, sob a coordenação dos professores do curso superior de Licenciatura em Educação Física Marco Mendonça e Eliana Mendonça, com a colaboração dos acadêmicos do 4.º módulo. “O projeto foi idealizado em uma conversa informal com a gestão do campus, e, a partir daí, os acadêmicos abraçaram a ideia. A ação serviu ainda como complemento daquilo que foi trabalhado na disciplina Jogos e Recreação. E essa atuação servirá de experiência para o mercado de trabalho, pois, além do conteúdo teórico, proporcionamos a prática avaliativa do conteúdo aplicado. O resultado foi aferido por meio da aplicação de um questionário de avaliação aos pais e responsáveis pelas crianças que frequentaram o projeto de extensão”, disse Mendonça.

Para a diretora-geral do Campus Boa Vista, professora Joseane Cortez, a colônia é um antigo sonho dos professores do curso de Educação Física e dos gestores da unidade que se materializou em um belo projeto. “O projeto da colônia de férias representa uma retomada dessa ação que ocorreu há cerca de quinze anos. Representa também a possibilidade de vivências dos acadêmicos de Educação Física na prática de atividades alternativas com a infância, além de possibilitar a integração dos filhos dos servidores e da comunidade com a instituição. Foi maravilhoso ver as crianças participando e se sentindo pertencentes ao local de trabalho de seus pais. Esse projeto me encheu de orgulho. Agradeço aos professores Marco e Eliana pela parceria e aos acadêmicos por abraçarem a causa”, frisou a diretora.

A professora Heila Antonia das Neves Rodrigues matriculou as filhas na colônia como uma alternativa para que as crianças não ficassem sozinhas em casa. Elas já aguardam a próxima edição. “Gostei muito! Como as férias das meninas não coincidiram com as minhas, foi ótimo para eu ter onde deixá-las. As atividades foram bem divertidas. Elas amaram tudo e já estão perguntando se ano que vem terá novamente”, disse Heila.

Assim como Heila, a professora Ivone Mary Medeiros avalia como positiva essa primeira experiência da colônia. “Fiz a inscrição de seis crianças, entre afilhados e seus amiguinhos. Eles gostaram da programação, do lanche e do atendimento que receberam. Destaco também a belíssima organização que foi decisiva para o sucesso do evento”, declarou.

A proposta é que, a partir da avaliação aplicada aos pais, seja possível tornar a Colônia de Férias uma ação permanente, podendo ser inclusive ampliada para a comunidade externa. O estudo avaliará tanto a possibilidade de ampliação do número de vagas quanto a necessidade do envolvimento de mais acadêmicos, inclusive de outros cursos, assim como a possibilidade de maior investimento em materiais e recursos para outras atividades programadas.

 
Virginia Albuquerque
CCS/Campus Boa Vista
17/9/19